A  coordenadora do programa da América Latina da MiningWatch Canadá , Kirsten Francescone manisfetou-se publicamente na última segunda-feira (4). A MiningWatch trabalha para apoiar comunidades, organizações e redes na região que lutam em conflitos de mineração.

Município de Brumadinho após rompimento da Barragem.

Artigo:

Após o trágico rompimento  da barragem de rejeitos a montante, “Barragem I” na Mina Córrego do Feijão, da Vale em Minas Gerais, Brasil, a MiningWatch Canadá está preocupada com o estado das barragens de rejeitos operadas por empresas canadenses no Brasil. 

Francescone informa que a MiningWatch identificou pelo menos 65 projetos de mineração de empresas canadense na fase de prospecção e em produção espalhados pelo Brasil. A maioria dessas minas e projetos são minas de ouro, mas também incluem outros minerais, como níquel e grafite. Destes 65 projetos, quinze estão em produção e outros cinco estão em desenvolvimento ou construção. 

O MiningWatch contatou as empresas com minas além do estágio de pós-viabilidade, solicitando que identificassem o tipo de barragem presente ou planejado para suas minas. Das nove empresas contatadas, foram recebidas respostas de seis. Três das seis empresas que responderam ainda estão armazenando rejeitos úmidos, mas estão usando uma variação de métodos de construção downstream e de linha de base. Os outros três estão usando armazenamento de rejeitos de empilhamento a seco. 

O silêncio por parte das três empresas canadenses que ainda não responderam é alarmante. Entre essas empresas,  seis  são minas em operação e uma em suspensão temporária. O Complexo Cayete da Mineração Jaguar (TSX-JAG) em Minas Gerais (o estado onde ocorreram os desastres de Brumadinho e Mariana) abriga duas minas produtoras a apenas 40 km do centro urbano de Belo Horizonte. Sua mina Turmalina também está em Minas Gerais. A Aura Minerals (TSX-ORA) tem estado em silêncio sobre suas minas de Pau-a-Pique e São Francisco. 

Finalmente, e potencialmente mais preocupante, é a Yamana Gold (TSX-YRI). A Yamana possui atualmente duas minas em operação no norte do Brasil, as minas de Jacobina (ouro) e Chapada (ouro-cobre). As minas são grandes: a Jacobina tem uma capacidade diária de produção de 6500 toneladas e a Chapada tem capacidade de planta de flotação para tratar até 22 milhões de toneladas por ano (mais de 60.000 toneladas / dia).  

Como as empresas canadenses armazenam seus resíduos são motivo de grande preocupação para nós, tornando o silêncio da Yamana ainda mais preocupante. Com a sombra do desastre de Mount Polley aparecendo na história recente de nosso próprio país, há uma clara necessidade de os canadenses refletirem sobre o que nossas empresas fazem em casa e no exterior. Enquanto os brasileiros tentam peneirar os destroços do derramamento mais trágico que o país experimentou em termos de custo humano, nos preocupamos que uma mina de propriedade canadense possa causar o próximo desastre.

Artigo original em inglês:  https://miningwatch.ca/blog/2019/2/4/three-canadian-mining-companies-brazil-silent-tailings-dam-structures-following

 

 

 

Outros Artigos

0 Comentários

Deixe o seu comentário!