Durante a primeira reunião da Comissão Externa da Câmara criada com a intenção de acompanhar a fiscalização das barragens, integrantes da comissão colheram assinaturas para instaurar investigação

Com forte presença de parlamentares mineiros, aconteceu a pouco a primeira reunião da Comissão Externa da Câmara criada com a intenção de acompanhar a fiscalização das barragens anunciada pelo governo Federal. O grupo de deputados também deve cobrar das autoridades públicas a celeridade nas investigações do rompimento em Brumadinho, causada pela reincidente empresa Vale. Os parlamentares da comissão colhem assinaturas para tentar instaurar um CPI.

Segundo o presidente da comissão, Zé da Silva (SD-MG), a intenção é produzir um arcabouço jurídico preventivo para que novos casos não aconteçam. A intenção é visitar Brumadinho ainda nesta quinta (07/02). “Vamos procurar que esta comissão seja mais técnica e que tenhamos prazo para apresentar resultados”, garantiu.

Duas listas já circulam pelos corredores da Câmara para a abertura de uma CPI da mineração na Casa. O mineiro Júlio Delgado (PSB) e relator da comissão explicou que o “desejo principal” é que novos desastres não voltem a acontecer. Assim, ele se mostrou cético com relação à abertura de uma CPI. “A CPI tem muito mais o foco de fazer investigação que já está sendo feita pelos órgãos responsáveis. Porém, o que a gente quer com essa comissão é decidir o que vai ser feito a partir do desastre”, ressaltou.

Ele, contudo, enfatizou que o Congresso precisa dar uma resposta rápida à sociedade. Delgado também lamentou que após o desastre de Mariana, em 2015, as informações solicitas pela comissão ao Ministério de Minas e Energia, demorou cerca de dois anos e meio para prestar as respostas. “Só foi chegar dezembro do ano passado”, contou.

A visão desconfiada de se criar uma CPI também foi ressaltado pelo presidente Zé da Silva, que procurou orientar os parlamentares presentes à audiência pública a evitar burocracias desnecessárias. “Se a gente criar um emaranhado tão grande, não iremos avançar”, disse.

Para a deputada Áurea Carolina (Psol-MG) os dois maiores desastres — Brumadinho e Mariana — são crime e de responsabilidade da Vale e dos órgãos públicos que deveriam fazer uma fiscalização efetiva. 

 

Reunião da Comissão Externa sobre o rompimento da barragem ! em Brumadinho

 
A reunião ainda não terminou e os deputados estão organizando o escolpo inicial do Plano de trabalho e a visita da Comissão a Brumadinho.
 
Com informações do Correio Brasiliense #Comunicação Comitê

Outros Artigos

0 Comentários

Deixe o seu comentário!